O Praat tem sido a minha companhia diária nos últimos tempos e tem-me ensinado muitas coisas e hoje trago-vos um momento “fez-se luz!”

Quando tirei a formação de processamento auditivo foi referido que crianças com dificuldades de resolução temporal, a habilidade responsável pela deteção de intervalos de tempo entre diferentes estímulos sonoros (Santos, Parreira, & Leite, 2010),  podem ter dificuldade em produzir os sons “l” e “r”(4) porque são sons mais curtos, mas não tinha a perceção do quão curtos eram.

Fico fascinada quando vejo que conseguimos detetar estas diferenças ao nível minucioso. No exemplo acima, no espectrograma da palavra “hora”, o “O” e o “a”(6) têm uma duração de aproximadamente 200 milissegundos, enquanto o “r”(4) tem uma duração de 43 milissegundos. Estão a ver o nível de precisão? E o quão difícil é para uma criança com dificuldades de resolução temporal perceber esta mudança? E o quão curto é o fonema “r” (4)?

A produção e perceção de fala são para mim cada vez mais interessantes.

 

 

Referência bibliográfica:

Santos, J. L. F. dos, Parreira, L. M. M. V., & Leite, R. de C. D. (2010). Habilidades de ordenação e resolução temporal em crianças com desvio fonológico. Revista CEFAC, 12(3), 371–376. https://doi.org/10.1590/s1516-18462010005000026